quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Vendo a vida através dos meus olhos... meus pensamentos... minhas atitudes...


Mentes Brilhantes, compreendidas ou incompreendidas?? Alguém pode nos entender sem que esse alguém seja o ninguém??

Como ser uma página compreendida e lida por todos ainda que por muitas vezes não compreendida??


Ser ou não ser eis a questão?? Será que tenho escolha??

Muito sei pra que?? Se tudo posso reputar como nada sei??


Será?! Mas?! Se?! Pode ser?! Quem sabe?! Ainda que?! Quanto?! Mais?! Quando?! Menos?! Não?! Mais que?! Para?! Talvez?! Como?! Depois de?! Sim?! Antes de?! Tanto faz?! Muitas vezes, ao acaso, pois é!! Mais ou menos, portanto, o porquê?! Do que?! Através de, um porém, escolho do pior, pelo menos o melhor!! Ou não?! A fim de, assim que .... tantas coisas e nenhuma delas!! Porque e pra que??

O que é a vida??

Por muitas vezes me pego pensando em questões básicas da vida;
- Quem sou?? O que posso oferecer?? Pra que e por quê??

Será que uma feminista romântica, ou talvez, uma moderninha revolucionária. Quem sabe?! Uma menina tímida realista, deslumbrada com as descobertas desse universo ultrajante! Lutando por reconhecimento pra fazer valer os seus ideais, buscando nos pequenos detalhes a melhor ilustração para a vida. Na simplicidade da formiga a gigantesca experiência de vida, na dimensão do céu a harmonia e a paz do planeta, no bater das assas de um pássaro a liberdade, no vazio repleto do espaço o silêncio que faz calar e tão somente contemplar a grandeza desse fabuloso Arquiteto celestial.

Tentando entender a complexidade do ser humano que; faz do simples complicado; troca o certo pelo duvidoso; ama e odeia; luta, conquista e sempre se acha um derrotado; gosta repugnando; sente frio no calor; seco no molhado; azedo no doce. Há tantas formas paradoxais de se ver as coisas que podemos devagar em nossos pensamentos e perder a noção do quanto caminhamos dentro de nós mesmos e fora dos nossos próprios mundos tentando no acaso, nos ver sem pedir permissão invadindo o mundinho vizinho, alheio só para ver se nele encontrarmos respostas, justificativas, os mesmos erros, as mesmas falhas, melhor que isso, algo que possa nos confrontar sem nos conformar com ventos contrários ou manifestações relutantes. Somos perfeitos?? Ou melhor, dentro do possível tentamos achar motivo para ver que somos perfeitos para o nosso próprio conceito de perfeição. Nesse momento nos perguntamos: - O que é o certo ou o que é o errado?? Quando começamos a trocar o certo pelo duvidoso?! Onde foi que paramos ou recuamos e deixamos de andar?!

Mente covarde, conflitante que faz “caras e bocas” para persuadir o corpo e induzi-lo ao erro. Afim de, dividir a parcela de culpa. Isso mesmo!! Ao acaso da frustração com base em desejos reprimidos ... no descontrole das emoções, sem noção, sem medir a razão, sem sentimentalismo, sem amor, na frieza do egoísmo demente. Em busca de realizações momentâneas pela pressão do seu ego ferido, marcado pelas feridas do seu sombrio pecaminoso passado, do gosto amargo da vingança, do dar o troco, de fazer valer. Por que, somos pessoas ignorantes?? Levadas ao engano pelo nosso próprio "eu" mutante, nossa MENTE. Colocamos a prova nossa carne todos os dias, por causa da nossa guerra pelo poder; espírito contra essa alma bandida... Isso sim que ela é! De almas viventes em Cristo nos tornamos espírito vivificante. E essa bandida teima em querer ter o governo do nosso corpo enquanto estamos conquistando a vida dia a dia. Quanto ao erro o que podemos levar dele, senão, a lição de não cometê-lo novamente e sermos taxados burros?! Fazemos das nossas atitudes e do nosso estilo de vida uma carta suja, mal interpretado, cheia de respingos e borrões. O que podemos levar de bom nisso?? A felicidade!! Mas o que é felicidade??


A Wikipédia diz: “A felicidade é uma gama de emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento ou satisfação até à alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem ainda o significado de bem-estar ou paz interna. O oposto da felicidade é a tristeza. Em linguagem comum, quando se diz "estou feliz", está-se a utilizar o primeiro significado — o de emoção. Enquanto que se diz "sou feliz", se está a utilizar o significado de bem-estar.

Existem diferentes abordagens ao estudo da felicidade e das suas causas, que têm sido usadas pela filosofia, a religião e a psicologia. O Homem sempre há buscado a felicidade e tanto os filósofos como os religiosos sempre se hão dedicado a encontrar as suas causas e em definir que tipo de comportamento ou estilo de vida aumenta o nosso nível de felicidade. Estes pensadores veem a felicidade como aquilo que modernamente chamamos bem-estar ou qualidade de vida, e não simplesmente como uma emoção. Neste sentido a felicidade é o que os gregos antigos chamavam de Eudaimonia, um termo ainda usado em Ética. Pelo contrário para as emoções associadas à felicidade os filósofos preferem utilizar a palavra prazer.

É difícil definir rigorosamente a felicidade, e ainda mais difícil definir medidas desta. Investigadores em Psicologia desenvolveram diferentes métodos, por exemplo o Inventário da Felicidade de Oxford, para medir o nível de felicidade de um indivíduo. Nestes teem-se em conta fatores fisiológicos e psicológicos. Em investigação a felicidade é assim relacionada com fatores como: envolvimento religioso ou político, estado civil, paternidade , idade, rendimento, etc.”

Se a felicidade é medida pelo mix das nossas emoções e pelo que esperamos da nossa própria vida com base nos nossos ideais, muitas vezes, nossa felicidade pode ser real ou ilusória. Depende do ponto de vista de como estamos analisando e julgando as informações dentro daquilo que intitulamos como certo para nós e errado para os outros. Sendo ele certo para os outros e errado para nós...

“Não faça com que ventos contrários direcionem o seu barco, faça com que eles sejam o combustível para te levar mais longe, sendo firme e incisivo em suas conquistas”.

“Alguém que não tem medo de sofrer; porque é em meio à dor que se conquistam as melhores vitórias... nunca vi ou pude contemplar alguém de bem com a vida que não tenha passado por poucas e boas e tenha enfrentado situações de descontrole, loucura, medo, insegurança, sofrimento, dor e não se tornou uma pessoa melhor no final das contas”.

“A vivencia e as muitas experiências fazem de nos seres humanos melhores com o passar dos anos. Claro, que quando somos aplicados e nos esforçamos para passar de ano somos contemplados com a sabedoria. E podemos enfrentar com garra e prudência os desafios que aparecem como obstáculos a serem superados e conquistados”.


"Para todo fim a um começo. E no final tudo dá certo! Se foram precisos os trancos e barrancos para chegar até aqui, use desses benefícios como bagagem para sua próxima caminhada rumo ao destino".

Nenhum comentário: